Planilhas de Avaliação

Planilhas de Excel que disponibilizamos gratuitamente para ajudar nas suas avaliações.


Clique AQUI para baixar.

Não é necessário pedir acesso para editar. Baixem nos seus computadores e usem a vontade.


No vídeo abaixo dou uma breve explicação sobre o funcionamento e como preencher as planilhas.




Espero que elas ajudem na elaboração de sues planejamentos dietéticos e de treinamento físico.

Abraços


Bernardo N. Ide, PhD.


Referências Utilizadas para Elaboração das Planilhas


Composição corporal

Cálculo da densidade corporal e % de gordura

Para o cálculo da densidade corporal, usamos as equações de Pollock 1,2 . Já a conversão da densidade em % de gordura, foi realizada pela fórmula de Siri 3.


Carga de uma repetição máxima (1RM)

Para os que não realizam o teste direto para determinação da carga de uma repetição máxima (1RM). A predição de 1RM foi realizada pela equação de Bryzcki 4.


Força relativa

A força relativa nos exercícios de agachamento e supino foi calculada pela divisão da carga de 1RM pela massa corporal total 5.


Desempenho nos saltos verticais

Seguimos os procedimentos recomendados por Claudino e colaboradores 6, que consideram a média como mais sensível do que o maior valor para monitorar o desempenho neuromuscular. Adicionalmente, recomendamos que os valores considerados para o cálculo da média, não ultrapassem um coeficiente de variação de 5%.


Taxa de utilização excêntrica (EUR)

A taxa de utilização excêntrica (EUR), foi calculada através da razão entre a altura dos saltos contramovimento (CMJ) e o squat (SJ) 7.


Potência e capacidade aeróbia

A estimativa do consumo máximo de oxigênio (VO2 máximo) para a corrida, foi realizada através da equação proposta por Cooper 8. Já a velocidade de limiar a anaeróbio, foi estimada pela equação proposta por Mahseredjian e colaboradores 9.


Referências


1.         Jackson AS, Pollock ML, Ward A. Generalized equations for predicting body density of women. Med Sci Sports Exerc. Published online 1980. doi:10.1249/00005768-198023000-00009

2.         Jackson AS, Pollock ML. Generalized equations for predicting body density of men. Br J Nutr. Published online 1978. doi:10.1079/bjn19780152

3.         Siri WE. Body composition from fluid spaces and density: analysis of methods. 1961. Nutrition. 1956;9(5):480-491; discussion 480, 492. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8286893

4.         Brzycki M. Strength Testing—Predicting a One-Rep Max from Reps-to-Fatigue. J Phys Educ Recreat Danc. 1993;64(1):88-90. doi:10.1080/07303084.1993.10606684

5.         Suchomel TJ, Nimphius S, Stone MH. The Importance of Muscular Strength in Athletic Performance. Sport Med. 2016;46(10):1419-1449. doi:10.1007/s40279-016-0486-0

6.         Claudino JG, Cronin J, Mezêncio B, et al. The countermovement jump to monitor neuromuscular status: A meta-analysis. J Sci Med Sport. 2017;20(4):397-402. doi:10.1016/j.jsams.2016.08.011

7.         McGuigan MR, Doyle TLA, Newton M, Edwards DJ, Nimphius S, Newton RU. Eccentric utilization ratio: effect of sport and phase of training. J strength Cond Res. 2006;20(4):992-995. doi:10.1519/R-19165.1

8.         Cooper KH. A Means of Assessing Maximal Oxygen Intake. JAMA. 1968;203(3):201. doi:10.1001/jama.1968.03140030033008

9.         Mahseredjian F, Barros Neto TL de, Tebexreni AS. Estudo comparativo de métodos para a predição do consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbio em atletas. Rev Bras Med do Esporte. 1999;5(5):167-172. doi:10.1590/s1517-86921999000500002