Nível de força inicial impacta nas adaptações aos diferentes métodos de treinamento?

James, Lachlan P., et al. "The impact of strength level on adaptations to combined weightlifting, plyometric, and ballistic training." Scandinavian journal of medicine & science in sports 28.5 (2018): 1494-1505.

A magnitude das adaptações ao treinamento pode ser influenciada pelo nível de força inicial dos indivíduos? Seria vantajoso adquirir um certo nível de força antes de enfatizar variações dos levantamentos olímpicos, pliometria e exercícios balísticos? Caso sim, essa informação pode direcionar a elaboração de programas de treinamento para populações atléticas com diferentes níveis de força.

 

Na pesquisa publicada no Scandinavian journal of medicine & science in sports, 24 indivíduos foram divididos em dois grupos de acordo com o seu nível de força relativa (FR) no agachamento (carga de uma repetição máxima [1RM] / massa corporal). Os mais fortes possuíam FR = 2,01 ± 0,15 e mais fracos: FR = 1,20 ± 0,20.

 

Eles completaram 10 semanas de treinamento, incorporando variações dos levantamentos olímpicos, pliometria e exercícios balísticos. As avaliações ocorreram nos momentos Pré, pós 5 semanas e pós as 10 semanas de treino incluíram o teste de 1RM no agachamento, atividade eletromiográfica do quadríceps femoral durante os exercícios de jump squat e a contração voluntária máxima no agachamento e a mecânica do salto vertical (comparação das curvas força-tempo ao longo de todo o movimento).

 

O grupo mais forte apresentou maiores mudanças na velocidade pico no momento pós 5 semanas, mas não nos pós- 10 semanas. Foram observadas alterações distintas na relação força-velocidade e na mecânica do salto, mas apenas o grupo mais forte apresentou aumentos na ativação muscular

 

Os principais resultados foram que diferentes mudanças ocorreram na relação força-velocidade e na mecânica dos saltos, mas apenas o grupo de indivíduos mais fortes apresentou aumentos na atividade eletromiográfica.

 

A conclusão foi que os aumentos na velocidade pico foram significativamente influenciadas pelo nível de força inicial. Os mecanismos que direcionam as mudanças no desempenho foram diferentes entre os grupos, com adaptações neurais, na relação força-velocidade e demais características mecânicas de melhoria de desempenho sendo mais proeminentes nos indivíduos com maior nível de força.

           

Os autores destacaram que os achados são de grande valia para a prática do treinamento, pois revelam que sim, é vantajoso adquirir um certo nível de força antes de enfatizar as variações dos levantamentos olímpicos, a pliometria e os exercícios balísticos.